O Livro de Daniel /Capítulo 9 (Preceito por Preceito)


                                                  É DESSE JEITO!

                                                                                                                                           

                   Feliz Sábado Amados Irmãos, que a Paz do SENHOR DEUS esteja convosco. Hoje é Santo Dia de Estudo Especial do Projeto "Preceito por Preceito" (Especial: O Livro de Daniel) onde estudaremos de uma Forma Detalhada, Tudo sobre o Capítulo 9 de Daniel .  Se ao final dessa Mensagem você se sentir Abençoado e querer ajudar o Projeto "Preceito por Preceito", e só Compartilhar essa Mensagem (Compartilhe 7+) com 7 pessoas que você queira ver felizes e SALVAS. Também venho através desse informativo esclarecer a respeito dos Recursos que estarão Disponíveis em cada Estudo Detalhado deste Projeto: 


                      6) É DESSE JEITO ! "Nota+ de Estudo" (NT+)- As NT+ de Estudo são o Coração do Componente "Estudo" deste Projeto. São mais de 12 Mil Notas+ de Estudo (NT+) em Todo o Projeto, acomodadas nos Estudos Detalhados abaixo do Texto Bíblico correspondente. E serão facilmente reconhecidas pelos Sinais NT+. As NT+ Explicam, Definem, Esclarecem e Iluminam algum aspecto da Passagem Bíblica em questão. Às vezes, a NT+ Aborda o conteúdo de uma Passagem mais ampla das ESCRITURAS, que consiste de vários ou muitos versículos. A essas, podem se seguir NT+ referentes a conteúdos mais Específicos de cada Versículo que foi tratado de maneira coletiva na NT+ anterior. Quando a NT+ usa palavras exatas do Texto Bíblico, estas são formatadas em negrito e itálico. Equivalentes atuais para antigos pesos e medidas geralmente são mencionados nas "NT+ de Estudo". É importante frisar que ao Clicar em alguma NT+ vocês serão direcionados a "Estudos Extras+", e farão viagens incríveis no Conhecimento do nosso DEUS.

                         
     
                                            "Assim Diz o SENHOR"

      1 No ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da linhagem dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus, 2 no primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. 3 Voltei o rosto ao Senhor DEUS, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza. 
      4 Orei ao SENHOR meu DEUS, e confessei, e disse: Ah! SENHOR! DEUS grande e tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; 5 temos pecado e cometido iniquidades, procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; 6 e não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da terra. 7 A ti, ó SENHOR, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como hoje se vê; aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, e a todo o Israel, aos de perto e aos de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas rebeliões que cometeram contra ti. 8 Ó SENHOR, a nós pertence a confusão de rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, porque pecamos contra ti. 9 Ao SENHOR, nosso DEUS, pertencem a Misericórdia, e o Perdão; pois nos rebelamos contra ele, 10 e não obedecemos à voz do SENHOR, nosso DEUS, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas. 11 Sim, todo o Israel transgrediu a tua lei, desviando-se para não obedecer à tua voz; por isso a maldição e o juramento, que estão escritos na lei de Moisés, servo de DEUS, se derramaram sobre nós; porque temos pecado contra ti. 12 Ele confirmou a sua palavra, que falou contra nós, e contra os nossos juízes que nos julgavam, trazendo sobre nós um grande mal; porquanto debaixo de todo o céu nunca se fez como se tem feito em Jerusalém. 13 Como está escrito na lei de Moisés, todo este mal nos sobreveio; apesar disso, não suplicamos à face do SENHOR nosso Deus, para nos convertermos das nossas iniquidades, e para nos aplicarmos à tua verdade. 14 Por isso o SENHOR vigiou sobre o mal, e o trouxe sobre nós; porque justo é o SENHOR, nosso DEUS, em todas as suas obras, que faz, pois não obedecemos à sua voz. 15 Agora, pois, ó SENHOR, nosso DEUS, que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão poderosa, e a ti mesmo adquiriste renome, como hoje se vê; temos pecado, temos procedido impiamente. 16 Ó SENHOR, segundo todas as tuas justiças, aparte-se a tua ira e o teu furor da tua cidade de Jerusalém, do teu santo monte; porque por causa dos nossos pecados, e por causa das iniquidades de nossos pais, tornou-se Jerusalém e o teu povo um opróbrio para todos os que estão em redor de nós. 17 Agora, pois, ó DEUS nosso, ouve a oração do teu servo, e as suas súplicas, e sobre o teu santuário assolado faze resplandecer o teu rosto, por amor do SENHOR. 18 Inclina, ó DEUS meu, os teus ouvidos, e ouve; abre os teus olhos, e olha para a nossa desolação, e para a cidade que é chamada pelo teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. 19 Ó SENHOR, ouve; ó SENHOR, perdoa; ó SENHOR, atende-nos e age sem tardar; por amor de ti mesmo, ó DEUS meu; porque a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome. 20 Estando eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do SENHOR, meu DEUS, pelo monte santo do meu DEUS, 21 Estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. 22 Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido. 23 No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão. 24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 Depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. 27 Ele fará firme aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada se derrame sobre ele.
                                                                    AMÉM !!!

                                      É DESSE JEITO! "Áudio+"



                                                


                  9: 1 ( de Dario, filho de Assuero, ...) CRUZ+ (Daniel 1: 21).

                  9: 2 (Jeremias) CRUZ+ (2 Crônicas 36: 21; Esdras 1: 1; Jeremias 25: 11-12; 29: 10; Zacarias 7: 5).


                  9: 3 (Voltei o rosto ao SENHOR DEUS, ...) CRUZ+ (Neemias 1: 4; Daniel 6: 10; 10: 15).


                  9: 4 (ah! SENHOR! DEUS ...) CRUZ+ (Êxodo 20: 6).


                  9: 5 (temos pecado e cometido iniquidades, ...) CRUZ+ (1 Reis 8: 47-48; Neemias 9: 33; Salmos 106: 6; Isaías 64: 5-7; Jeremias 14: 7).


                 9: 6 (e não demos ouvido aos teus servos, os profetas, ...) CRUZ+ (2 Crônicas 36: 15; Jeremias 44: 4-5).


                9: 7 (Pertence a Justiça, ...) CRUZ+ (Neemias 9: 33).


                9: 9 (Ao SENHOR, nosso DEUS, pertence a Misericórdia e o Perdão, ...) CRUZ+ (Neemias 9: 17; Salmos 130: 4, 7).



                9: 11 ( todo o Israel transgrediu a TUA LEI, .../ Lei de Moisés, ...) CRUZ+ (Isaías 1: 3-6/ Levítico 26: 14).


               9: 12 (Confirmou a SUA PALAVRA, .../porquanto nunca, ... ) CRUZ+ (Zacarias 1: 6/Lamentações 1: 12; 2: 13).


                9: 13 (Como está escrito na Lei de Moisés, .../apesar disso, não temos implorado ...) CRUZ+ (Deuteronômio 28: 15-68/ Isaías 9: 13).


                9: 14 (cuidou em trazer sobre nós o mal .../o SENHOR, nosso DEUS, ...) CRUZ+ (Jeremias 31: 28; 44: 27/ Neemias 9: 33).


               9: 15 (que tiraste o teu povo da terra do Egito .../ renome, como hoje se vê, ...) CRUZ+ (Neemias 1: 10/ Neemias 9: 10).


                9: 16 (segundo todas as TUAS Justiças, .../ TEU Santo Monte, .../ e por causa das iniquidades de nossos pais, .../ Jerusalém e .../ opróbrio para todos os que estão em redor) CRUZ+ (1 Samuel 12: 7/ Zacarias 8: 3/Êxodo 20: 5/Lamentações 2: 16/ Salmos 79: 4).


                 9: 17 (assolado faze resplandecer .../ por/ amor do SENHOR) CRUZ+ (João 16: 24/ Números 6: 24-26/Lamentações 5: 18).


                9: 18 (ó DEUS meu, .../ e olha para a nossa desolação e .../que é chamada pelo TEU Nome, ...) CRUZ+ (Isaías 37: 17/ Êxodo 3: 7/ Jeremias 25: 29).


                9: 21 ( Gabriel) CRUZ+ (Daniel 8: 16).


                9: 23 ( amado/ considera, pois, a coisa e entende a visão) CRUZ+ (Daniel 10: 11, 19/ Mateus 24: 15).


                9: 24 (para expiar a iniquidade/ para trazer a Justiça Eterna, .../ e para ungir o Santo dos Santos) CRUZ+ (Isaías 53: 10/ Apocalipse 14: 6/ Salmos 45: 7).


                9: 25 (Ungido/ ao Príncipe) CRUZ+ (Lucas 2: 1-2; João 1: 41; 4: 25/ Isaías 55: 4).


                9: 26 (Ungido/ e já não estará/ o povo/ destruirá a cidade ...) CRUZ+ (Isaías 53: 8; Mateus 27: 50; Marcos 9: 12; 15: 37; Lucas 23: 46; 24: 26; João 19: 30; Atos 8: 32/ 1 Pedro 2: 21/ Mateus 22: 7/ Mateus 24: 2; Marcos 13: 2; Lucas 19: 43-44).


                9: 27 (Aliança/ muitos/ até que a destruição, que ...) CRUZ+ (Isaías 42: 6/ Mateus 26: 28/ Daniel 11: 36).





    9: 1 No primeiro ano de Dario. No início do domínio medo-persa.

                         9: 2  Jeremias [...] setenta anos. Daniel estava estudando as profecias de Jeremias seu contemporâneo mais velho. Jeremias registrou a Mensagem de DEUS de que a terra de Judá permaneceria desolada sob o domínio babilônico durante 70 anos. Então Babilônia seria punida, e os judeus poderiam retornar do exílio (Jeremias 25: 11, 12; 29:10). Agora Babilônia havia sido punida, e um novo império acabara de assumir o poder (Daniel 5 - 6 ). Portanto, segundo o que Jeremias dissera, o fim dos 70 anos havia chegado e era hora da libertação dos cativos judeus. Daniel deveria estar muito feliz.

                        9: 3 jejum, pano de saco e cinza. Em vez de se sentir alegre, contudo, Daniel estava de luto (comparar com Ester 4: 1, 3; Salmos 35: 13; Isaías 58: 5; Jeremias 6: 26). Seu problema era a visão de Daniel 8, a qual mostrava que haveria um longo período de dificuldade para o povo de DEUS antes da restauração do santuário. Está claro que ele não compreendia as 2.300 tardes e manhãs (8: 14) como dias literais (menos de seis anos e meio), caso contrário não teria se preocupado. Naturalmente, Daniel presumiu que o santuário fosse o templo em Jerusalém e associou sua justificação à restauração após o povo ser liberto do exílio. Ele deve ter concluído que, por causa dos pecados do povo, DEUS havia decidido adiar a libertação do cativeiro babilônico para um futuro distante.

                         9: 4 Orei [...] confessei. No fim das bençãos e das maldições da aliança em Levítico 26, DEUS havia prometido que, se SEU povo exilado se humilhasse, se arrependesse e confessasse seus pecados e os de seus antepassados, ELE o restauraria do exílio (Levítico 26: 40-45).

                        9: 5 temos pecado. Daniel era um homem justo, e a BÍBLIA não registra nenhum pecado que ele tenha cometido. Ainda assim, o profeta não atribui pecado apenas a seus compatriotas. Ele se identifica com o povo nesta Oração de Intercessão.

                        9: 17-19 o teu santuário [...] a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome. Como Moisés (Êxodo 32: 11-13; Números 14: 13-19), Daniel intercedeu junto ao SENHOR em prol do povo, apelando para o Caráter Misericordioso de DEUS e para a necessidade de preservar a reputação divina no mundo. Daniel também estava preocupado com a cidade de Jerusalém e com o  santuário no "Monte Santo" (Monte Sião), onde o SENHOR havia colocado SEU Nome/SUA Identidade (comparar com Deuteronômio  12: 5, 11, 21). A preocupação com o povo e o santuário liga a oração à visão de Daniel 8, na qual o poder do chifre pequeno oprime o povo e age contra o santuário.

                      9: 21 sacrifício da tarde. Ou "Oferta de manjares da tarde" (2 Reis 16: 15; Esdras 9: 4, 5). O Anjo Gabriel (comparar com Lucas 1: 19, 26) apareceu a Daniel em forma humana mais ou menos na hora em que o último sacrifício regular do dia seria realizado no templo, caso estivesse em funcionamento (comparar com Êxodo 29: 39-42; Levítico 6: 20). Este era um momento apropriado, conforme as Palavras do Salmista: "Suba à TUA Presença a minha oração, como incenso, e seja o erguer de minhas mãos como oferenda vespertina" (Salmos 141: 2).

                      9: 23 entende a visão. Nenhuma visão é relatada no cap. 9. Portanto, a referência é a visão do cap. 8. De modo mais precioso, a palavra hebraica para "visão" neste versículo é a mesma usada em 8: 26 para a conversa sobre as 2.300 tardes e manhãs (8: 13, 14), que deixou Daniel muito perplexo. Gabriel veio para explicar este elemento temporal, a fim de aliviar a angústia do profeta em relação ao aparente conflito entre os 70 anos de Jeremias e os 2.300 dias/anos de sua visão.


                     9: 24 Setenta semanas. A palavra para "semana" significa "grupo de sete" e pode ser um ciclo de dias ou de anos. Neste caso, obviamente se refere a anos, porque os eventos ocupam muito mais tempo do que 490 (70 x 7) dias literais. Por exemplo, a reconstrução de Jerusalém nunca terminaria em 70 semanas de dias literais (menos de um ano e meio). Portanto, elas são entendidas como "semanas de anos" (sobre ciclo de sete anos, ver também os períodos de anos sabáticos em Levítico 25). O número "setenta" relaciona esta unidade de tempo aos 70 anos profetizados por Jeremias (ver "NT+" sobre Daniel 9: 2). Assim como a nação de Judá sofreu 70 anos de exílio em resultado de rebelião e pecado, ele agora teria 70 ciclos de anos sabáticos (490 anos), no fim dos quais a rebelião terminaria e se colocaria um fim nos pecados, determinados. Esta palavra ocorre apenas aqui na Bíblia hebraica. Nos escritos rabínicos, seu significado básico é "cortar" de algo mais longo. Esta é uma acepção possível para a palavra "determinadas". Neste versículo, tanto o sentido básico quanto o ampliado se aplicam: os 490 anos são cortados" de uma unidade mais longa de 2.300 dias/anos (8: 14); além disso, este período de 490 anos está "determinado" para o povo judeu e para a cidade santa de Jerusalém. "Determinado" quer dizer que se aplica de maneira especial a eles. Daniel estava preocupado com o destino de seu povo, da cidade e do templo durante as 2.300 "tardes e manhãs, mas não havia resposta. fazer cessar a transgressão. A palavra hebraica para "transgressão" significa pecado rebelde (comparar com o verbo "rebelar" ou "revoltar", do mesmo radical em 1 Reis 12: 19; 2 Reis 1: 1; 3: 5; sobre a combinação dos termos "transgressão", "pecado" e "iniquidade"/culpa (mas com "iniquidade" listada primeiro), ver Êxodo 34: 7; Levítico 16: 21). Os 490 anos seriam um período para resolver os defeitos morais que haviam assolado o povo de DEUS ao longo de sua história como nação. Isso aconteceria por intermédio do MESSIAS. Com os remédios para os três males citados anteriormente, três coisas boas viriam: justiça duradoura, o selamento (confirmação) da profecia e a unção do Santo dos Santos. para ungir o Santo dos Santos. Consagração de um Santuário a DEUS para sua Função Sagrada (comparar com Levítico 8: 10-12). Esta consagração aconteceria séculos depois da dedicação do segundo templo, construído e dedicado logo após o retorno do exílio (Esdras 6). Portanto, esta deve ser a consagração de outro templo (ver "NT+" de Daniel 9: 25).

                   9: 25 ordem para restaurar e para edificar Jerusalém. Os 490 anos começam no momento desta ordem, que restaurou aos judeus a posse da cidade, a qual tornaria a ser sua capital (comparar com 1 Reis 20: 34; 2 Reis 14: 22). A ordem foi dada pelo rei persa Artaxerxes I no sétimo ano de seu reinado (Esdras 7: 11-26); portanto, entrou em vigor em 457 a.C. Diferentemente dos decretos anteriores de Ciro (Esdras 1: 1-4; 6: 3-5) e de Dario (Esdras 6: 1-12), o de Artaxerxes inclui uma preocupação explícita pela cidade de Jerusalém em si, não apenas pelo povo judeu e seu templo. Artaxerxes ordenou a restauração de Jerusalém como o centro judicial e civil do povo judeu. O controle civil incluía o direito de reconstruir obras públicas (comparar com 1 Reis 20: 34), algo que Esdras e seus aliados começaram a fazer antes de enfrentarem oposição (Esdras 4: 11-16). mais tarde, Neemias terminou esse trabalho (Neemias 3 - 7). A PALAVRA de DEUS sobre a restauração de SEU povo do exílio começou a ser cumprida por meio das ordens de Ciro e Dario e se completou mediante o decreto de Artaxerxes (comparar com Esdras 6: 14). ao Ungido, ao Príncipe. A palavra "Messias", em língua portuguesa, deriva de um termo hebraico que significa "Ungido". Reis e sacerdotes, em especial sumo sacerdotes, eram ungidos no antigo Israel (Levítico 6: 22; 2 Samuel 5: 3). A palavra "Príncipe" se refere a um líder que podia tanto ser Rei (1 Samuel 9: 16; 13: 14) quanto Sacerdote ( 1 Crônicas 9: 10, 11; Neemias 11: 11, 12; Jeremias 20: 1). Em Daniel 9 é Predito o Ministério do "Ungido" Supremo, o "Messias" (= "CRISTO", derivado do grego), cuja vinda estaria ligada ao fim do pecado, ao estabelecimento da Justiça, à Confirmação da Profecia e à Consagração de um Santuário (Daniel 9: 24, 25). ELE é tanto SACERDOTE quanto REI (Salmos 110). Segundo o Novo Testamento, esta Pessoa é JESUS CRISTO. ELE foi Ungido pelo ESPÍRITO de DEUS (Lucas 4: 18), morreu para perdoar nossos pecados e nos cobrir com SUA Justiça (2 Coríntios 5: 21), cumpriu profecias (Mateus 1: 22, 23; 2: 5, 6, etc.) e começou a atuar como nosso Melquisedeque (= "REI de Justiça") e SUMO SACERDOTE no Templo de DEUS no Céu (Hebreus 7 - 10). sete semanas e sessenta e duas semanas. Estas 69 "semanas" de anos (ver v. 27 acerca da última "semana") correspondem a 483 anos, de 457 a.C. (decreto de Artaerxes l ), até 27 d.C. (levando em conta que não houve ano zero entre as eras a.C e d.C.). Neste ano, o 15° (segundo a contagem judaica) do reinado de Tibério César, o ESPÍRITO SANTO desceu sobre JESUS no batismo, e ELE começou seu Ministério (Lucas 3). Existem muitas profecias surpreendentes sobre CRISTO no AT (Salmos 22; Isaías 53, etc.), mas a de Daniel 9 é especial porque aponta com precisão o início do SEU Ministério com mais de 500 anos de antecedência. Observe que as primeiras sete semanas de anos formam um ciclo jubileu de 49 anos (Levítico 25: 8-10), mostrando que os 490 anos consistem de dez períodos de jubileu de grande escala, cujo fim disponibilizaria liberdade (neste caso, do pecado; Daniel 9: 24) para toda a nação.

                9: 26 será morto o Ungido. A língua original traz o mesmo termo usado em Levítico 7: 20: eliminado". É notável que o Messias receba esta punição divina para pecados graves, que consistia na eliminação de uma pessoa de sua família. Tratava-se de um tipo de morte permanente, além da morte comum do corpo mortal (Levítico 20: 2, 3). CRISTO sofreu o castigo da "segunda morte" (comparar com Apocalipse 2: 11; 20: 6, 14) por nós na cruz a fim de nos Salvar dela. Todavia, por ser inocente e ter carregado a culpa de todos (1 Pedro 2: 21-24), ELE conseguiu retornar da morte suprema, da qual não há volta, e ver sua posteridade (Isaías 53: 10). já não estará. Ou, "não terá nada". CRISTO não tinha domínio, honra ou posses terrenas quando morreu. Até mesmo SUAS roupas foram levadas (Mateus 27: 35). Aparentemente, tudo estava perdido. o povo de um Príncipe que há de vir. Depois da morte de CRISTO, Roma Imperial, sob o governo de Tito (seu "príncipe"/líder), destruiu Jerusalém e o templo em 70 d.C.

                 9: 27 Fará Firme Aliança com muitos. Depois da referência ao povo e ao príncipe que destruíram Jerusalém, a explicação se volta para a Obra do MESSIAS como parte da Profecia das 70 semanas. CRISTO fez uma "Firme Aliança"para benefício de todos mediante SEU sacrifício (Mateus 26: 28; comparar com Jeremias 31: 31-34). na Metade da Semana. Quer dizer na metade da última "semana" (sete anos) dos 490 anos a partir de 457 a.C. Os últimos sete anos começaram em 27 d.C (batismo de JESUS). O Ministério terreno de CRISTO durou a primeira metade desta "semana": três anos e meio até SUA morte. Quando ELE morreu, o véu do templo se rasgou em duas partes (Mateus 27: 51), tornando obsoletos os sacrifícios que apontavam para o Sacrifício do MESSIAS (comparar com Hebreus 10: 1). Assim CRISTO fez cessar o sacrifício e a oferta. Então ELE Subiu ao Céu e Continuou a Confirmar a Aliança por meio do Dom do ESPÍRITO SANTO no testemunho dos Apóstolos (Atos 1 - 7). Em 34 d.C., o fim dos últimos sete anos, o conselho nacional judaico rejeitou o EVANGELHO e martirizou Estêvão (Atos 7). Levantou-se uma grande perseguição contra os cristãos, levando-os a se dispersar (Atos 8: 1). Assim, o EVANGELHO chegou aos gentios, e eles puderam se tornar cristãos sem primeiro precisarem se tornar judeus (Atos 10 - 11; 13 - 15). sobre a asa das abominações virá o assolador. A palavra hebraica usada nesta passagem para "abominações" se refere à idolatria, uma forma grave de rebelião contra DEUS (comparar com Deuteronômio 29: 17; 2 Reis 23: 24). A ideia refere-se a uma assolação que vai além do período de Roma imperial e da destruição de Jerusalém em 70 d.C., passando a incluir a devastação causada pela fase religiosa do poder do chifre pequeno na última parte dos 2.300 anos (Daniel 8: 11-13 - "transgressão assoladora"; comparar com 11: 31, 12: 11 - "abominação desoladora"). O chifre pequeno estabelece uma forma de idolatria ou falso sacrifício que pretende substituir a função do sistema sacrifical terreno ao qual CRISTO pôs fim. Portanto, após o fim dos 490 anos, a explicação de Daniel 9: 27 está ligada ao restante da visão do cap. 8. Isso reforça o fato de que os 490 anos são a primeira parte dos 2.300 anos.

                                             É DESSE JEITO! "Presente+"

                                                 




   #NovoTempo              

                  * Fiquem com DEUS e se ELE permitir no Próximo Santo Dia, têm +É DESSE JEITO !  (Preceito por Preceito/Especial: O Livro de Daniel 10/ 12 )