Especial : " A Segunda Mensagem Angélica " ( Parte 2 / 3 ) Google+


É DESSE JEITO !


Segunda Mensagem Angélica


A Segunda Mensagem Angélica 

As Igrejas que recusaram receber a Primeira Mensagem Angélica rejeitaram Luz Celestial. A Mensagem foi Misericordiosamente Enviada para levá-los a ver sua Verdadeira condição de mundanismo e afastamento e para buscarem o preparo para o encontro com o SENHOR .
A Primeira Mensagem Angélica foi dada para separar a Igreja de CRISTO da influência corruptora do mundo. Todavia, para a multidão, mesmo os professos cristãos, as amarras que os prendiam à Terra eram mais poderosas do que os atrativos Celestiais. Escolheram dar ouvidos à voz da sabedoria terrena e deram as costas à escrutinizadora Mensagem da Verdade.
DEUS Concede Luz para ser Acalentada e Obedecida, não para ser desprezada e rejeitada. A Luz que ELE Envia Torna-se Trevas para os que a rejeitam. Quando o ESPÍRITO SANTO DE DEUS Cessa de Impressionar o coração humano com a Verdade, todo o ouvir é vão, assim como também é vã toda a pregação.
Quando as Igrejas repeliram o Conselho Divino, ao rejeitarem a Mensagem do Advento, também o SENHOR as Rejeitou. O Primeiro Anjo é seguido por um Segundo, que Proclama: “Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição. ( Apocalipse 14 : 8 / PALAVRA DE DEUS ) Esta Mensagem foi entendida pelos adventistas como o anúncio da queda moral das igrejas em conseqüência de sua rejeição da Primeira Mensagem. A proclamação “Caiu Babilônia”, foi dada no verão de 1844, e como resultado, cerca de cinqüenta mil abandonaram estas igrejas.
Os que pregaram a Primeira Mensagem não tinham o propósito nem a esperança de causar divisão nas igrejas, ou de formar organizações separadas. “Em todos os meus trabalhos”, disse Miller, “nunca tive o desejo ou o pensamento de criar qualquer interesse separado do das denominações existentes, ou de beneficiar uma em detrimento de outra. Pensava em beneficiar a todas. Supondo que todos os cristãos se regozijassem com a perspectiva da Vinda de CRISTO, e que os que não viam as coisas como eu as via, não haveriam de menosprezar aqueles que abraçassem essa doutrina, não pensei em qualquer necessidade de reuniões separadas. Todo o meu objetivo se concentrava no desejo de converter almas a DEUS, cientificar o mundo do Juízo Vindouro e induzir meus semelhantes a fazer o preparo de coração que os habilitaria a encontrar-se com seu DEUS em Paz. A grande maioria dos que se converteram pelos meus trabalhos, uniram-se às várias Igrejas existentes. Quando pessoas vinham a mim para inquirir-me quanto a seu dever, eu sempre as mandava ir para onde se sentissem em casa; nunca favoreci nenhuma denominação com meus conselhos para tais pessoas."
Por algum tempo muitas igrejas receberam bem o seu trabalho, mas decidindo-se contra a Verdade do Advento, desejaram suprimir todo o exame desse assunto. Aqueles que haviam aceitado a Mensagem foram colocados numa posição de grande provação e perplexidade. Amavam suas igrejas, e relutavam separar-se delas, mas, sendo ridicularizados e oprimidos, e negado o privilégio de falarem de sua Esperança, ou de assistirem às pregações sobre a vinda do Senhor, muitos afinal se levantaram e lançaram de si o jugo que se lhes havia imposto.
Os adventistas, vendo que as igrejas rejeitavam o testemunho da PALAVRA DE DEUS, não mais podiam considerá-las como constituindo a Igreja de CRISTO, “Pilar e Coluna da Verdade”; e quando a Mensagem “Caiu Babilônia”, começou a ser anunciada, eles se sentiram justificados da separação de sua antiga associação.
Desde a rejeição da Primeira Mensagem, uma triste mudança teve lugar nas igrejas. Quando a Verdade é desprezada, o erro é recebido e acariciado. O Amor a DEUS e a Fé em SUA PALAVRA esfriaram. As igrejas agravaram o ESPÍRITO DO SENHOR, e ESTE tem sido em grande medida Retirado delas .

                                   *  Tempos de tardança

Quando o ano de 1843 passou inteiramente sem ter sido marcado pelo Advento de JESUS, os que pela fé haviam aguardado o SEU Aparecimento, ficaram por algum tempo envoltos em dúvidas e perplexidade. Não obstante seu desapontamento, muitos continuaram a investigar as ESCRITURAS, examinando de novo as provas de sua fé, e estudando cuidadosamente as Profecias para obterem mais Luz. O Testemunho da BÍBLIA em apoio de sua posição parecia claro e conclusivo. Sinais que não poderiam ser mal compreendidos apontavam para a Vinda de CRISTO como estando próxima. Os crentes não podiam explicar seu desapontamento, porém sentiam-se seguros de que DEUS os havia guiado na experiência pela qual passaram.
Sua fé foi grandemente fortalecida pela aplicação direta e poderosa das passagens que se referiam a um tempo de tardança Já em 1842, o ESPÍRITO SANTO DE DEUS comoveu a Carlos Fitch a preparar um mapa profético, o que foi geralmente considerado pelos adventistas como o cumprimento da ordem dada pelo Profeta Habacuque: “Escreve a visão, grava-a sobre Tábuas.” Ninguém, todavia, naquela época notou um tempo de tardança que é apresentado na mesma Profecia. Depois do desapontamento o significado pleno dessa passagem tornou-se evidente. Assim falara o Profeta: “Escreve a visão, grava-a sobre Tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não falhará; se tardar espera-o, porque certamente virá, não tardará.” Habacuque 2:2, 3 / PALAVRA DE DEUS )
Os que esperavam se regozijaram, crendo que AQUELE que conhece o fim desde o princípio havia olhado através dos séculos e, prevendo-lhes o desapontamento, lhes dera PALAVRAS de Ânimo e Esperança. Não fossem essas Porções da ESCRITURA, mostrando que eles estavam no Caminho Certo, sua fé teria falhado naquela hora de prova.
Na Parábola das dez virgens, de " Mateus 25 ", a experiência dos adventistas é ilustrada com os incidentes de um casamento oriental. “Então o Reino de DEUS será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo.” “E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono, e adormeceram.”
O movimento que se espalhou sob a proclamação da Primeira Mensagem, correspondeu à saída das virgens, enquanto a passagem do tempo de expectação, o desapontamento e a demora, são representados pela tardança do noivo. Depois que o tempo definido passara, os verdadeiros crentes ainda estavam unidos na crença de que o fim de todas as coisas estava às portas; mas, logo tornou-se evidente que eles estavam perdendo, em alguma medida, seu zelo e devoção, e caindo no estado denotado na Parábola pelo adormecimento das virgens durante o tempo de tardança.
Por este tempo começou a aparecer o fanatismo. Alguns, que haviam professado ser zelosos crentes na mensagem, rejeitaram a PALAVRA DE DEUS  como o Único Guia Infalível, e, pretendendo ser guiados pelo ESPÍRITO, entregaram-se ao governo de seus próprios sentimentos, impressões e imaginações. Alguns houve que manifestaram um zelo cego e fanático, denunciando a todos os que não lhes sancionavam o proceder. Suas idéias e atos fanáticos não encontraram simpatia da grande corporação de adventistas; serviram, no entanto, para acarretar o opróbrio à causa da Verdade. + Ellen G . White !
A pregação da Primeira Mensagem em 1843, e do clamor da meia-noite em 1844, tendia diretamente a reprimir o fanatismo e a dissensão. Os que participaram desses solenes movimentos estavam em harmonia; seus corações estavam cheios de amor, uns para com os outros e para com JESUS, a quem logo esperavam contemplar. Uma só Fé, uma só Bendita Esperança, ergueu-os acima do controle de qualquer influência humana e provou ser um Escudo contra os assaltos de satanás.+ Novo Tempo !

  * Fiquem com DEUS e se ELE Permitir no decorrer da semana tem + É DESSE JEITO !